Quinta-feira, Agosto 18, 2022
Google search engine
InícioEntrevistas56º KVIFF - Myroslav Slaboshpitskyi revela como “é doloroso perceber que muita gente...

56º KVIFF – Myroslav Slaboshpitskyi revela como “é doloroso perceber que muita gente boa morreu em combate”

Breve crónica do encontro inevitável no festival Karlovy Vary com o cineasta Myroslav Slaboshpytskyi, autor de The Tribe/A Tribo. Que era para ter acontecido antes, em Junho 2014, em Erevan, durante o festival Golden Apricot. Embora apenas com um breve encontro e sem a impossibilidade do jornalista poder conversar e demonstrar a admiração por esse filme incrível – justamente por se encontrar no júri do festival -, merecedor do prémio da Semana da Crítica em Cannes, e depois premiado na Arménia como o melhor filme da competição (bem como o prémio FIPRESCI). Muito menos comentar o início dos conflitos em Donetsk e no Donbass, a acorrer durante o festival. O encontro concretiza-se agora, em 2022, embora com a particularidade de ser agora o cineasta ucraniano o investido na responsabilidade de membro do júri – na secção Proxima do KVIFF, focada em trabalhos mais arrojados, tanto de autores consagrados como de menos experientes, celebrando dessa forma a descoberta do novo cinema. E quando quase o mundo inteiro se insurge contra a invasão bárbara do espaço ucraniano pelas tropas de Putin. E também quando ambos partilhamos já uma parte da família russa. Eu conheci a minha mulher (russa) em Yerevan, nesse ano, ao passo que Myroslav conheceu a sua (russa) no festival Molodist, em Kiev. Meras coincidências entre jornalista e cineasta, entre cidadãos preocupados.

Actualmente a viver em Viena, desde que teve de fugir de Kiev, em Abril passado, face dos riscos evidentes, apesar do período de interregno para que a sua permissão de não ingresso militar fosse clarificada, Myroslav abordar também o seu novo projecto ecológico, The Tiger, ambientado na Sibéria, onde o habitat do tigre enfrenta a ocupação humana. Um projecto que conta filmar neste inverno. Isto numa altura em que fica em ‘banho-maria’ o seu anterior projecto, inicialmente intitulado Luxembourg, sobre a ‘zona de exclusão’ de Chernobyl.

Num inglês pausado, não totalmente fluente, Myroslav Slaboshpytskyi, não se escusará de abordar a presença consistente do novo cinema ucraniano que reflecte a actualidade do pouco admirável mundo novo em que vivemos.

Como se sente ao estar no papel do júri e ter de julgar os filmes dos outros?

Não foi a primeira vez. Como disse no início, estive também como júri em Locarno. Na secção de curtas. Vou ver os filmes, como os outros membros do júri. Não há uma grande diferença dos jornalistas. E o programa é bastante bom. É claro que nem todos os filmes são bons, mas há mesmo alguns filmes brilhantes. Vamos ver o resto que falta. Gosto muito da ideia da Proxima, é claro que é a primeira edição, mas é bom existir um lugar para apresentar os projectos mais arrojados ou controversos, de cineastas menos experientes. Mas que de alguma forma possa afectar o sistema.

A Tribo (2014). (Foto: Festival de Cannes)

Acho até que o The Tribe (2014) seria um ótimo exemplo para esta secção, não lhe parece (risos)?

(risos) Sim, sim, claro. Mas já vi alguns filmes muito corajosos e com imenso poder.

Pergunto-lhe se quando estava a pensar nesse projecto percebeu logo que seria um filme diferente. Sobretudo porque usaria apenas pessoas que falariam com linguagem gestual. Seria, de certa forma, um regresso ao cinema mudo. Qual era a sua motivação, digamos em 2013, quando o estava a preparar? Essa foi uma pergunta que nunca lhe pude fazer, porque nessa altura estava eu no júri…

Eu tinha já esse conceito formal definido. E que queria fazer um filme mudo. Parti então desse pressuposto para criar a história. Pensei então num espaço de escola, fechado, que poderia ser várias coisas. Por outro lado, tinha histórias da comunidade surdos-mudos Ucrânia, com quem já estava em contacto. E tinha já feito uma curta, com um orçamento de 300€, que foi à Berlinale, em 2010, chamado Deafness. São 11 minutos com um único plano. E foi feito no local onde foi filmado o The Tribe. Concorrei ao fundo Hubert Balls (Roterdão), encarando o filme como uma curta. Acabou por ser uma longa e teve bastante sucesso.

Mas tem também um novo projecto, penso eu.

Sim, sobre o novo projecto tenho muito para contar. Foi uma ideia desenvolvida em 2017 e esperamos avançar durante este inverno. Chama-se The Tiger, com o Alexander Skarsgard e o Dane DeHaan. A Wild Bunch já esteve a fazer a venda do filme este ano em Cannes.

Alexander Skarsgard e Dane DeHaan (Foto: Deadline.com)

Qual é a ideia do filme?

É uma história incrível, com um ponto de vista ecológico. Sobre a protecção do tigre. É um filme de época. Entre meados dos anos 90, na parte mais oriental da Rússia, perto de Vladivostoque e da fronteira com a China. Há um livro sobre um jornalista canadiano, activista ecológico, John Vaillant, cujo livro (The Tiger) foi um best seller em 2010. Foi planeado como um filme produzido por Darren Aronsky e com Brad Pitt, no protagonista. Depois não aconteceu. Agora o Darren Aronofsky continua a bordo – ele que gostou muito do A Tribo – e propôs-me o guião. Portanto será o Darren como produtor, para a Plan B, do Brad Pitt. Eu serei o realizador. Passei mais de um ano a escrever o guião. Agora está completo e estamos a começar a produção. Espero que no próximo inverno possamos começar a filmar. Vender em 2023. Ou no inverno. Claro que tivemos o covid e tudo se complicou. Todos os projectos foram atrasados. Apesar do covid ter sido foi horrível, o que temos hoje é bem pior (risos).

Tem ainda algum outro projecto em stand by?

Sim, temos um projecto na Áustria (e com o Austrian Film Fund). Sou amigo de Lukas Miko, um actor que trabalhou com Michael Haneke (em 71 Fragmentos de uma Cronologia do Acaso, de 1994). Encontrámo-nos em 2007. Nessa altura, tentámos fazer algo em conjunto. Entretanto veio o covid. E entretanto, com o início da guerra, em Abril, tive de deixar Kiev. Agora está mais seguro, mas no início ninguém estava seguro. Aconteceu Bucha e Irpin, com os crimes de guerra russos. Essa era uma saída, a outra para Virgorod, onde havia também combates. A terceira, onde vivia a minha mãe era a via para Odessa. As outras duas vias estavam fechadas. Só esta estava aberta. Pensei que os russos poderiam fechar também essa via e decidi partir. Tenho ordens oficiais de restrição militar, portanto não estou disponível para ação militar. Levei a minha mãe, o meu gato. Falei com o Lukas e acabei por escolher Viena. Onde estou agora. Onde o nosso gato aprecia o jardim, numa zona muito sossegada (risos). Estou também em contacto com a equipa de The Tiger.

Foi fácil de sair com esse documento?

Fui parado na fronteira. E tive de arrendar um apartamento em Uzhhorod, na fronteira com a Eslováquia, que acho que seria o mesmo que em Viena, dada a procura de ucranianos. Passei ali um mês até resolver tudo com o departamento militar. Depois 14 horas da fronteira escolvaca, depois Hungria, e depois, cheguei à meia noite a Viena.

Aqui no festival estão presentes alguns filmes ucranianos. Não sei se teve ocasião de ver algum deles.

Não vi, para além disso estou no júri (Proxima) e não me devo pronunciar. E é complicado programar para os ver. Mas o Dima (Dmytro Sukholythyy-Sobchuk), de Pamfir, ligou-me e disse que não pode estar presente pela mesma razão – os documentos burocráticos militares. Não vi o filme, mas sei que o Dima é muito talentoso, uma pessoa muito séria. Foi apresentado o Pitch no Festival de Odessa e gostaram muito do guião. Estou muito curioso para ver o filme.

Klondike (Foto: KVIFF)

Viu o Klondike ou o Butterfly Vision?

Ainda não, mas estou muito curioso. Sei que o Klondike teve um grande sucesso nos EUA. Talvez venha ser o candidato da Ucrânia para os Óscares. É um filme muito importante.

Eu vi o filme e perguntei à realizadora (Maryna Er Grobach), se achava que o cinema poderia funcionar como uma forma de mostrar melhor a realidade, de modo a que a opinião pública e política mostre uma realidade mais coerente com o que se está a passar. Acha que o cinema pode ter este alcance?

Estou um pouco preocupado. Um dos pais do cinema independente, o Roger Corman, disse que se devia filmar o que se lia ou ouvia nas notícias e nos jornais. Não acho que o ponto de vista político deva ser o principal. Mas há aqui dois vectores: o público que quer ver o nosso filme e o filme ser sobre algo que é relevante no momento presente.

Rita Burkovska em ‘Butterfly Vision’: Foto: KVIFF

É também a História que se está a fazer.

Sim, claro. Nunca saberemos o que se passou com os maus filmes, ou filmes sem sucesso, que abordaram o mesmo tema, mas que ninguém viu. Só conhecem os exemplos de sucesso. E essa não será uma razão política. Acho que deveremos fazer o filme que temos de fazer. É claro que nos lembramos da guerra dos Balcãs e a forma como se refectiu no cinema. Não quer dizer que todos os filmes tenham sido bons ou com sucesso. Mas só conhecemos esses.

De 2014 para 2022, do que acha que pode surgir destes eventos que vivemos hoje. Em particular na Ucrânia? Tem alguma solução?

A guerra? Acredito que a Ucrânia vai vencer esta guerra. Até porque pode acontecer outra guerra. Vejamos, a Rússia vem de um império enorme. Por acontecer este ano, para o ano, daqui a dez anos. É claro que o que existe na Ucrânia é uma situação de revolta anticolonial. É claro que somos um país independente. Mas é uma revolta contra e metrópolis soviética. As guerras russas e ucraniana é histórica. Já muito aconteceu no passado. Ainda ontem recebi a notícia de um amigo ferido em combate. É claro que iremos vencer, mas é muito doloroso perceber que muita gente boa morreu em combate e irá ainda morrer. É uma loucura abrir o Facebook de manhã e perceber que jornalistas, pessoas de cultura, artistas, cinematógrafos, morreram em combate. É claro que é um segredo quando pessoas morreram. É uma prática normal, porque o inimigo não deve saber quantas pessoas morreram. Mas, no final, acho que deverá ser uma vitória. Talvez antes do impacto nuclear.

Mas acha que poderá haver uso de armas nucleares?

Não sei. Acho que sim. Não uma guerra nuclear entre potências, mas pode acontecer uma bomba numa cidade qualquer. Quem sabe? É a primeira guerra na Europa com esta escala desde a 2ª Guerra Mundial. Se ler os documentos de Putin, tal como Hitler considerava os judeus, ele considera os ucranianos da mesma maneira. Ele quer exterminar-nos.

Mas a razão é sempre geopolítica: mais poder, mais território.

Claro. Eles vieram para o nosso território e matam-nos. A única razão é para destruir. Essa expressão é muito vasta.

Basicamente pretende o seu império de volta, quer ter um lugar na História ao lado dos grandes. Mas Putin nunca será grande…

Acho que o Putin é um pervertido. Sejamos claros, os russos com o dinheiro do petróleo podem compram políticos na Europa, partidos políticos. O Putin pode fazer tudo, porque tem o dinheiro para o fazer. Ele é como no filme do Marco Ferreri, A Grande Farra (1973). Ele tem tudo, mas quer muito mais. É claro que isso se baseia na História. É um pervertido. Talvez isso lhe dê um impulso sexual. Uma espécie de Hanibal Lecter, ou um Ted Bundy…

Paulo Portugal
Paulo Portugal
Insider Cinema, festivais, entrevistas e críticas. E algo mais.
RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine

Most Popular

Recent Comments