Junho 13, 2021

Radu Jude: “Ficaria feliz se alguém dissesse que o meu filme tem mais liberdade que outros melhores”

Conversamos com o cineasta romeno (via zoom para Bucareste) apenas dois dias antes de receber o Urso de Ouro. Estava bastante entusiasmado com seu filme radical. Algo que encara como um verdadeiro ato de liberdade. Ao descobrir que um vídeo pornográfico caseiro foi para a internet, uma professora de Bucareste enfrenta a hipocrisia local. No depoimento dos jurados na 71ª Berlinale, constituído unicamente por cineastas – Ildikó Enyedi, Nadav Lapid, Adina Pintilie, Mohammad Rasoulof, Gianfranco Rosi e Jasmila Žbanić – foi descrito como “um filme elaborado e selvagem, inteligente e infantil, geométrico e vibrante, impreciso da melhor maneira. Ataca o espectador, evoca discordância, mas não deixa ninguém com uma distância segura ”.

Pode começar por explicar o processo que seguiu a produção até assumir a forma no filme que vimos?

Foi um processo com altos e baixos. Primeiro, tentei outras estruturas com uma narrativa mais direta, mas percebi que não queria que o filme fosse o condutor da história, queria mais que o filme tivesse conexões ou justaposições. Nesse sentido, precisava de um formulário para expressar estas ideias. Encontrei a ideia no livro do André Malraux A Voz do Silêncio, em que ele desenvolve essa estranha ideia sobre os esboços de antigos mestres da pintura. Olhando para os esboços do Delacroix, ficamos com a sensação de que parecem mais modernos que as próprias pinturas. Os esboços de nossas sensibilidades modernas são mais poderosos e permitem do que as próprias obras. É a ideia de uma obra que não está acabada, totalmente fechada. É algo que me atrai.

O filme começa com imagens pornográficas amadoras explícitas. Em que estágio você pensou em usá-las?

A ideia de usar o vídeo porno amador? Tive a ideia de mostrar o que há na rua. É aí que encontramos coisas. Daí vieram as ideologias e as diversas conexões. Aos poucos foi assim que o filme foi se formando.

Sobre a segunda parte, onde vemos todas essas notícias bizarras, frazes feitas, anedotas, como de desenvolveu esse processe de escolha para os elementos que vemos?

Acho que os cineastas têm a tendência de rejeitar o caos e rejeitar coisas que acontecem sem nosso controle. Na verdade, muitos desses elementos foram recolhidos dois anos antes de fazer o filme. Citações literárias, ideias, fotografias, observações sobre o filme. Porque quando começo a pensar em algo, inevitavelmente outras coisas me vêm à mente. (Theodore) Adorno (1903-1969) disse algo como “se procuramos uma citação, basta abrir um livro para encontrar algo que estará certo”. Eu realmente acredito nesse processo que certas coisas acontecem por acaso. Às vezes, abro a minha página do Facebook e vou gravando coisas. Ou podem ser coisas que vejo na televisão ou na rádio. Ou lendo um site ou jornal, lendo um livro ou assistindo a um filme.

A estrutura do filme é bastante curiosa. Em que mistura citações académicas com elementos muito diferentes. Isso foi intencional?

Sim e não. Você chama académico, mas por outro lado eu ficaria muito feliz se académicos usassem o cinema para expor seus pontos de vista e não apenas textos. A A minha ideia era um pouco diferente. Eu queria usar as ferramentas do cinema: câmara, movimento e montagem, para fazer as conexões e ideias. É uma justaposição entre o texto, imagem, som e uma imagem ou duas imagens juntas. Mais importante para mim é esse uso do cinema para fazer este artigo sociológico.

Gostei muito da ideia de usar esse vídeo pornográfico explícito para mostrar sua visão de alguns aspectos da sociedade – talvez não apenas da sociedade romena. Ness sentido, que significado tem para si agora a palavra pornografia?

Como tudo, se você olhar com olhos sociológicos ou antropológicos, encontrará coisas que não são óbvias. Por exemplo, pode encontrar-se no lixo de uma cidade muitas coisas que lhe muito mais sobre aquela sociedade. O mesmo funciona para uma determinada família ou vizinho. Aqui é a mesma coisa. Podemos usar pornografia como justaposição neste vídeo e outras coisas para comentar ou analisar. Talvez não seja o estado do mundo. Isso seria demais. Pelo menos usar o cinema para ver mais. O que você pode ver é que a Roménia, e talvez outros países (ou talvez, não, eu não sei), tem um problema com a sexualidade em relação às funções corporais. Será para esconder outras coisas, acho eu.

Como surgiu a ideia de fazer aquela sex tape? Como foi filmado?

Na verdade, foi ótimo. Foi feito apenas uma semana antes do estado de emergência. Até porque eles deveriam fazer sexo na sala de aula. E deveríamos filmar essa parte do filme em Maio do ano passado, o que não foi feito, é claro. Eu queria ter isso antes. Na verdade, pouco antes de ir para a Berlinale no ano passado, onde fiz dois filmes no Forum. Então, filmamos numa casa com os atores. Foram muito corajosos. Acho que a Katia (Pascariu) foi muito corajosa. Ela não é apenas uma grande atriz de teatro – principalmente em peças políticas, no teatro social -, mas também, não tinha inibições. E ele é um ator porno profissional. Foi muito mais fácil fazer isso do que esperava. Ambos foram muito profissionais. Filmamos em duas horas, com os ensaios incluídos.

Em que medida acha que a pandemia mudou o filme? Por exemplo, em relação aos protocolos de higiene, ao uso de máscaras. Além disso, na primeira parte, quando a vemos andando na rua, as pessoas estão um bocado stressadas e rudes umas com as outras. Acha que a pandemia também desempenhou um papel aí?

Talvez um pouco, mas não tanto. A sociedade de Bucareste é diferente do resto do país. É uma cidade muito grande, com três ou quatro milhões de habitantes. Possui uma forma específica de interagir com as pessoas. Às vezes, bastante violenta e agressiva. Tivemos também alguns problemas de Covid, e outros relacionados, como usar máscara ou não usar máscara, que apenas criaram mais stress. Por exemplo, em relação aos carros estacionados na beira da estrada, é realmente o principal leitmotiv de algumas cenas, vem de um elemento classista, eu acho. Porque, na maioria das vezes, as pessoas se acham superiores. É uma sociedade muito individualista, como você pode ver nesta coisa muito simples. O engraçado é que esse problema ficou ainda mais evidente durante o bloqueio. São pequenas coisas que envenenam nossa vida.

Sobre as diferentes máscaras usadas pelos atores, elas reflectem também uma escolha artística?

Foi uma escolha artística. Claro, eu queria que eles fossem protegidos. Mas tínhamos ensaios em zoom. E as coisas funcionaram muito bem, na verdade. Além disso, gosto do aspecto sociológico da máscara. É um novo elemento nos nosso guarda-roupa. As pessoas ainda não sabem como julgá-las, não sabem como usá-las, qual a mensagem que transmitem. Agora estão ainda mais diversificadas desde o ano passado, quando fiz o filme. As pessoas todo tipo de mensagens malucas na máscara. Não sou psicanalista, mas o Freud faz uma ligação entre a boca e o órgão sexual. Isso pode significar alguma coisa. No início do filme ela está com a vagina aberta e depois sempre de máscara. Eu não sei se isso tem um significado.

Não é a primeira vez que usa o passado polémico romeno e como a sociedade lidou com o anti-semitismo. De que forma essa atitude dúbia faz parte da sociedade?

Acho que o passado comunista é bastante conhecido. Muitos até exageram no discurso anticomunismo alegando que foram vítimas do comunismo. Então quem foi o perpetrador? (risos). Mas, em relação ao passado fascista, não era e não é estudado na escola. Foi um assunto proibido por muitos anos. Ainda assim, continua a ser um assunto sobre o qual as pessoas não querem falar. Como sabe, fiz filmes sobre a Roménia sobre o massacre de judeus (I Dont Care if we go Down in History as Barbarians (2018)). Fui atacado por algumas pessoas na imprensa dizendo que era tudo mentira. Como eles podem saber disso se não foi ensinado na escola?

É muito curiosa a notícia referida no filme onde um jornal preparou duas primeiras páginas: dando vivas a russos ou a alemães consoante aquele que tomasse controle da cidade. É uma história verdadeira?

(risos) É uma história verdadeira. Quando a Roménia se juntou aos Aliados, foi uma espécie de golpe. Mas ninguém sabia o resultado do golpe para o dia seguinte. O Marechal Ion Antonescu era o governante fascista da Roménia na altura. Foi feito prisioneiro e os comunistas e outras forças democráticas chegaram ao poder, mas ninguém sabia o que iria acontecer. Assim, o jornal preparou duas edições: uma tinha na primeira página “Viva Hitler!” e o outro “Viva Stalin!”, algo assim. No dia seguinte eles queimaram aquele que dizia “Viva Hitler!” É esse tipo de hipocrisia de que falo. Essa é uma anedota sobre a natureza humana. Sobre nossos medos e nosso desejo de estar no lugar certo na hora certa.

Acha que o cinema tem o poder de ensinar, de criar novas ideias à medida que provoca o pensamento?

Ensinar, não sei, mas provocar, encontrar novas ideias, com certeza. O cinema para mim não é só entretenimento. Não é apenas uma narrativa, não é apenas uma emoção. Pode ser tudo isso, mas também é uma forma específica de pensar. Pensando pela câmara, pela montagem. Esse é o pensamento do cinema.

O cartaz original do filme é muito interessante. Como explicaria o seu significado mais oculto?

Sim. O cartaz mostra um triângulo begro, sugerindo uma vagina peluda. Fiz uma piada na página do filme no Facebook, argiumentando que foi inspirada nos elementos de Euclides. Claro, não é. Mas algumas pessoas levaram isso a sério. Foi só uma piada. Mas você pode dizer o que quiser.

E os três finais? Decidiu isso de início?

Tenho três finais porque queria ter este esboço. O filme não está totalmente compactado. Todos os finais são possíveis. É possível escolher. A segunda parte é como um caderno. Eu queria ter esse tipo de liberdade. Há uma grande citação de Roberto Rossellini onde ele fala sobre um dos últimos filmes de Charlie Chaplin, que não foi considerado muito bom pela maioria das pessoas. Mas ele disse: “Os filmes não são muito bons, mas é o filme de um homem livre”. Então, para mim, ficaria muito feliz se alguém dissesse que o filme não é bom, mas tem mais liberdade do que filmes melhores.

Só para fechar. A ideia do título é maravilhosa. Como você descobriu isso?

O título romeno tem mais detalhes que o inglês. Babardeala cu bucluc sal porno balamuc, que é uma espécie de aliteração, uma rima. Em primeiro lugar, Babardeala significa bater ou transar. É muito vulgar, mas não muito vulgar. Aqui, quando anunciaram os filmes na TV, alguns não disseram o título. Cu bucluc, acho que é uma palavra turca muito antiga, que significa problemas, ou má sorte, algo assim. Mas foi usado, como usei no título, para um teatro muito barato, o teatro do bulevar. Como um casamento com problemas. Eu queria que o título expressasse a confusão do próprio filme. Além disso, esse tipo de título é usado para títulos da imprensa tablóide. Especialmente conectado com o tema sec. Havia uma revista pornográfica chamada sexy balamuc. Então, há uma referência a isso. Era uma revista muito barata. E eu queria a palavra pornô no título também.

Quais são suas expectativas em relação à Berlinale que é um filme tão directamente ulrajante (mas de uma maneira muito boa)?

Tento não ter expectativas. Eu confio no júri, porque é um júri de cineastas. Eu respeito todos eles. Se o filme ganhar um prémio, tudo bem. É ótimo, mas se não ganhar nada, paciência. Como disse, respeito este júri mais do que um júri com atores ou produtores de Hollywood. Não porque não possam julgar um filme, mas acho que em muitos casos um ator de Hollywood pode ter uma visão diferente sobre o cinema, o que é bom. Mas não é necessária a visão do cineasta. De um cineasta de arte. É importante que o filme tenha sido selecionado.

Sobre Paulo Portugal 890 artigos
Insider Cinema, festivais, entrevistas e críticas. E algo mais.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Google Analytics