Abril 12, 2021

Berlinale: O cinema luta contra a pandemia. Com Portugal bem representado

Next Door, de Daniel Bruhl

O 71º Festival Internacional de Cinema de Berlim começa esta segunda-feira, dia 1 de Março. Não no formato habitual, devido à actual crise sanitária, mas em duas etapas: a primeira, arranca agora, com uma segunda parte (já com público) – lá mais para o verão, em Junho.

Uma vez mais, Portugal está bem representado.

No outono passado, o Festival de Cinema de Berlim enviou convites à imprensa, informando-os de que testes ambiciosos e taxas de ocupação limitadas seriam um pré-requisito para a edição deste ano da Berlinale. No entanto, devido à deterioração da situação epidemiológica, ficou fora de questão realizar a revisão no formato usual.

Ao contrário do Festival de Cannes, que não equaciona uma deslocação para o espaço virtual, Carlo Chatrian e  optou pelo formato online. Assim, todas as grandes exibições serão realizadas para a imprensa, produtores e distribuidores credenciados na Internet por cinco dias.

Em Junho, de 9 a 20, está prevista a realização de projeções offline e uma cerimônia de entrega de prémios. No entanto, saberemos os nomes dos laureados já na sexta-feira, pois o júri também trabalha online.

Este ano com um júri de peso na secção competitiva, já que é constituído apenas por cineastas vencedores do Ursos de Ouro da Berlinale em diferentes anos.

São eles o iraniano Mohammad Rasoulof (O Mal Não Existe, estreado em Portugal em Dezembro do ano passado), o mais recente vencedor. Fazem igualmente parte do jurado o israelita Nadav Lapid (Sinónimos), a romena Adina Pintilie (Não Me Toques), Ildiko Enyedi (Corpo e Alma) da Hungria, o italiano Gianfranco Rosi (Fogo no Mar) e Jasmila Zbanic (Grbavica), da Bósnia e Herzegovina.

Eles terão que escolher entre quinze pinturas, entre elas – novos filmes de Hong-Sangsoo (Introduction), Radu Jude (Bad Luck Banging or Loony Porn) e o actor germânico Daniel Bruhl, a estrear-se como realizador, com Next Door.

Portugueses (online) em Berlim

Joacine em ‘Mudança’

Uma vez mais, o festival de Berlim serve de montra para mostrar diversas produções (ou co-produções) portuguesas. Diogo Costa Amarante participa uma vez mais com uma curta (Luz de Presença), sobre a particular relação de um jovem acidentado de moto com Diana. Já Susana Nobre mostra no Fórum No Táxi de Jack, sobre as peripécias de um ex-emigrante à beira da reforma.

No Forum Expanded será a vez de vermos Joacine Katar Moreira no filme-dança de Welket Bungué, Mudança. Passam ainda 13 Ways of Looking at a Blackbird, de Ana Vaz, e a coprodução com a Áustria Night for Day, de Emily Wardill.

O prestigioso Berlinale Talents receberá irá apreciar os trabalhos do documentarista Paulo Carneiro (Bostofrio) bem como de David Pinheiro Vicente (O Cordeiro de Deus).

 

Sobre Paulo Portugal 888 artigos
Insider Cinema, festivais, entrevistas e críticas. E algo mais.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Google Analytics