Sexta-feira, Dezembro 2, 2022
InícioNotíciasÓscares 2018: 'A Forma da Água' ganha filme e realizador em cerimónia...

Óscares 2018: ‘A Forma da Água’ ganha filme e realizador em cerimónia previsível

A Forma da Água, do mexicano “emigrante” Guillermo del Toro, venceu sem surpresas os prémios mais importantes – Melhor Filme e Realização – numa noite previsível e maçadora, aliada à falta de uma mensagem mais clara sobre o gritante movimento igualitário. Mas ofereceu-se um jet ski para o discurso mais curto…

Quando então o repetente Warren Beatty e Faye Dunnaway subiram ao palco para emendar o desastre do ano passado, e confirmaram mesmo que o vencedor do Óscar de Melhor Filme era mesmo A Forma da Àgua, caíram também por terra as possibilidades de distinção de filmes melhores, como Três Cartazes a Beira da Estrada, seguramente o grande perdedor da noite, com apenas dois Óscares, Chama-me Pelo Teu Nome ou Foge!, apenas com o Óscar de Guião adaptado. A Linha Invisível, de Paul Thomas Anderson ficou-se pelo prémio decorativo, e inevitável, do guarda-roupa. Surpresas, nicles. Ou apenas Jordan Peele a ‘roubar’ o guião original ao Martin McDonagh.

https://www.youtube.com/watch?v=SVmuTIQBoio

Assim decorreu a cerimónia dos 90 anos da estatueta do homem sisudo. Então no capítulo da interpretação o tédio foi demasiado, com o selo há muito decidido. O que nos leva a pensar na forma conservadora e carreirista como decidem os membros da Academia – e até, se quisermos, o setor mais da imprensa mais próximo da indústria e que acaba por ser responsável por um hype que quase sempre resulta em preferências mais ou menos consensuais, ainda que nem sempre ajustadas. Mas isso é outra conversa.

https://www.youtube.com/watch?v=vSpR-oBx7h8

Para a história fica então A Forma da Água, um filme que cedo se posicionou como favorito aos Óscares e que não foi abalado pelas acusações de plágio, a tal variante do Monstro da Lagoa Negra, um filme série muito B de ficção científica, que iniciou a corrida aos mais importantes prémios do cinema assim que venceu o Leão de Ouro, em setembro passado, no festival de Veneza, iniciando depois uma longa lista de prémios da indústria.

https://www.youtube.com/watch?v=-86vgvZGMs4

Se quanto ao melhor filme ainda se poderiam alimentar algumas expetativas, já que del Toro concorria com mais oito candidatos, as categorias de interpretação limitaram-se à confirmação do que há muito era dado como seguro, em mais uma demonstração de conservadorismo académico. Frances McDormand e Sam Rockwell venceram a interpretação feminina e melhor secundário, confirmando a razão pela qual Três Cartazes à Beira da Estrada foi um dos fenómenos da temporada, com treze nomeações, embora ficando-se por quatro prémios, em grande parte devido ao guião espevitado de Martin McDonagh. Ele que haveria de perder o Óscar de Melhor Guião Original para Jordan Peele, naquela que foi a única surpresa da noite, mas também a meia injustiça. E só metade porque também na incrível história de Peele que assenta parte do sucesso de Foge!

O mesmo sucedeu com a mera confirmação de Gary Oldman, pela composição absorvente de Churchill, em A Horas Mais Negra, na sua longa carreira distinguida em que obteve o primeiro prémio na segunda nomeação, tal como a avassaladora prestação de Alysson Janney em Eu, Tonya, outro dos filmes injustiçados, desde logo pela ausência da nomeação para Margot Robbie, talvez na prestação mais completa das visadas.

A noite dos Óscares deu ainda três prémios técnicos a Dunkirk, no relato épico da retirada das tropas britânicas das praias da Normandia por Chris Nolan, mesmo que num registo não nos chegou a convencer. E tivemos a consagração de Uma Mulher Fantástica, do chileno Sebastian Lelio, o tal filme sobre uma mulher transexual – a mulher fantástica é mesmo Daniela Vega – na categoria de Melhor Filme Estrangeiro. A Pixar soma e segue, não deixando espaço à concorrência, com Coco a somar o tema musical à melhor animação.

De fora ficaram, com alguma injustiça, Lady Bird e The Post, sem conquistar qualquer prémio, ou mesmo Mudbound. 

 

Ficou assim o Palmarés:

Melhor Filme: A Forma da Água

Realização: Guillermo del Toro, A Forma da Água

Ator: Gary Oldman, A Hora Mais Negra

Atriz: Frances McDormand, Três Cartazes a Beira da Estrada

Atriz Secundária: Allison Janney, Eu, Tonya

Ator Secundário: Sam Rockwell, Três Cartazes a Beira da Estrada

Fotografia: Roger Deakins, Blade Runner 2049

Argumento original: Jordan Peele, Foge!

Argumento Adaptado: James Ivory, Chama-me Pelo Teu Nome

Montagem: Lee Smith, Dunkirk

Banda sonora original: Alexandre Desplat, A Forma da Água

Melhor Filme Estrangeiro: Uma Mulher Fantástica, Chile

Melhor Documentário: Icarus, de Bryan Fogel e Dan Cogan

Design de produção: A Forma da Água, Paul Denham Austerberry, Shane Vieau e Jeff Melvin

Guarda-roupa: Mark Bridges, A Linha Fantasma

Montagem de som: Richard King e Alex Gibson, Dunkirk

Mistura de som: Mark Weingarten, Gregg Landaker e Gary A. Rizzo, Dunkirk

Efeitos Visuais: John Nelson, Gerd Nefzer, Paul Lambert e Richard R. Hoover, Blade Runner 2049

Maquilhagem e guarda-roupa: Kazuhiro Tsuji, David Malinowski e Lucy Sibbick, A Hora Mais Negra

Banda sonora (tema original): Remember Me, Coco

Melhor Documentário – curta: Heaven Is a Traffic Jam on the 405, de Frank Stiefel

Melhor Animação: Coco

Melhor curta: The Silent Child, Chris Overton e Rachel Shenton

Melhor curta animação: Dear Basketball, de Glen Keane e Kobe Bryant

Paulo Portugal
Paulo Portugal
Insider Cinema, festivais, entrevistas e críticas. E algo mais.
RELATED ARTICLES

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

- Advertisment -
Google search engine

Most Popular

Recent Comments