Dezembro 3, 2020

KVIFF: The Nile Hilton Incident | Crítica

The Nile Hilton Incident

The Nile Hilton Incident, de Tarik Saleh – Horizontes

Crime na véspera da revolução

Como é que é, a investigação da morte de uma celebridade focada no ambiente muito noir dos bas fonds do Cairo em vésperas dos protestos que incendiaram o país em 2011, na praça Tahirir e depuseram Mubarak? A combinação parece demasiado rebuscada, mas a verdade é que o realizador sueco de ascendência egípcia Tarik Saleh consegue manter uma eficaz ligação ao género com a proximidade histórica.

Desde logo, recebe ajuda da presença intensa do sueco de origem libanesa Fares Fares (com percurso iniciado em Jalla! Jalla! e que vimos recentemente em Rogue One), a fazer lembrar o tão ‘noir’ Dana Andrews, aqui a esboçar um polícia corrupto empenhado na investigação que acabará por o fazer mudar de moral. Não sem antes ceder diante de uma beldade fatal como o destino, Gina (Hania Amar, que trouxe este ano a Cannes En Attendant les Hirondelles, na secção Un Certain Regard), proporcionando um sublime momento musical que inevitavelmente nos trás à memória Rita Hayworth, em Gilda

É claro que todas estas boas intenções poderiam resultar em escassos resultados, como sucede em grande maioria dos casos. Contudo, Saleh mostra cuidado ao recriar todo este ambiente viscoso, habilmente trocando o Cairo por Marrocos e pela Alemanha, e alinhavando um guião infetado pela corrupção viral que se inspira no caso verídico que envolveu uma estrela pop local, Suzanne Tamin. Ela que foi encontrada morta nas mesmas circunstâncias, embora em Dubai e não no Cairo no hotel que dá o nome ao filme, motivando a condenação à morte de uma alta figura local, embora comutada depois para uma pena de prisão bem mais leve.

Depois do thriller Tommy ter aflorado em 2010 o ambiente policial, Saleh convoca de novo o film noir para servir esta história centrada na antecâmara aos incidentes revolucionários de 2011. Fica um belo filme de género que veio a ganhar o prémio do world cinema em Sundance.

  • Classificação

Um resumo

Depois do thriller Tommy ter aflorado em 2010 o ambiente policial, Saleh convoca de novo o film noir para servir esta história centrada na antecâmara aos incidentes revolucionários de 2011. Fica um belo filme de género que veio a ganhar o prémio do world cinema em Sundance.

Sobre Paulo Portugal 874 artigos
Insider Cinema, festivais, entrevistas e críticas. E algo mais.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Google Analytics