Outubro 18, 2019
insider

Maya: Mia Hansen-Love encontra Goa nos intervalos da inspiração

  • Classificação

Mia Hansen-Love fez o seu filme na Índia, ou melhor, em Goa. Mas Mia não é Renoir. Ainda assim há algo no seu apelido que a faz desenhar personagens em movimento, cujo aparente desinteresse acaba por ser o seu próprio engodo amoroso. Percebe-se também o seu chamamento ao território, a algum exotismo, ao desprendimento das raízes para uma mais sincera redescoberta das emoções, da fusão de culturas, ainda que, neste caso, nunca deixe de ser paisagem, seja ela física ou emocional. Dá ideia que algo se perdeu, não na tradução, mas na identidade de um cinema que vinha confirmando isso mesmo, uma identidade que ganhava expressão no indizível. Nesse sentido, Maya fica alguns pontos abaixo de O Que Está Por Vir (2016), ou Um Amor de Juventude (2011), talvez o que mais de perto se liga com este.

Há um enquadramento prévio, o de Gabriel (Roman Kolinka recuperado do anterior O Que Está Por Vir, e ainda com uma participação em Éden (2014) embora sem se revelar uma verdadeira interioridade da personagem), recém-libertado de uma experiência de cativeiro com milícias ISIS na Síria. Nesse processo de superação, e de pausa como repórter de guerra, decide partir para Goa, a terra da mãe hippie. É aí que encontra Maya (na estreia de Aarshi Banerjee), uma jovem precoce, filha do dono de um hotel que luta com a mudança dos tempos, e que apenas conhece duas palavras em francês: dégueulasse (seguramente ‘emprestada’ de A Bout de Soufle, de Godard, e oh, la la, que dispensa explicações). Para trás Gabriel deixa o companheiro de cativeiro Frederic (Alex Descas), ainda que um terceiro, Jerome, tenha ficado para trás. Depois há o verdadeiro filme, a redescoberta do amor no oriente, de certa forma algo desprendido desse passado anterior.

Percebe-se essa proximidade à mudança imprevista que passa por este filme e por outros, mas que aqui parece tornar-se menos convincente, desde logo pelo distanciamento que sentimos nas personagens – não o intencional, que se compreende, mas o desconfortável, por não funcionar – e por diálogos pálidos e previsíveis.

Talvez a nota mais interessante do filme seja a apresentação da descoberta Aarshi Banerjee, tão precoce quanto estranhamente emancipada na disponibilidade dos seus sentimentos, acabando por abrir o coração do jovem repórter sem vontade de romance e também sem carisma. Pena é que desse breve encontro nunca se eleve mais do que uma certa banalidade de emoções, tão simples quando as inúmeras viagens de scooter (embora nunca com a pertinência das que vimos em Caro Diário, de Nanni Moretti) ou dos mergulhos nas diversas praias da ilha que não recusam o mero bilhete postal.

É claro que não ajuda pensarmos nos Contos de Rohmer ou muito menos no deambular inigualável de O Rio Sagrado, de Renoir. O problema fundamental de Maya é mesmo não acreditamos nas suas personagens. Ou talvez elas – ou Mia – não acreditem na sua própria narrativa e se deixem esmagar pelo tom sereno da paisagem de Goa. Maya não será um filme dégueulasse, mas não deixa de ser algo falhado.

Sobre Paulo Portugal 798 artigos
Insider Cinema, festivais, entrevistas e críticas. E algo mais.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Google Analytics