Dezembro 17, 2018

Veneza 75: Suspiria faz-nos suspirar por Argento. Guadagnino mostra que é fã mas fica dividido pelo Muro

E se um dos filmes mais esperados de Veneza75 se revelasse numa mega deceção? Pois é, nem sempre a ansiedade e a vontade de gostar é devolvida como se espera. Suspiria, versão Guadagnino, produzida pela Amazon Studios e exibida em competição aqui em Veneza, toma como referência o original de Argento de 1977, presta-lhe homenagem, mas o alegado terror “como nunca tínhamos visto”, como avisou o realizador, acaba bastante mitigado.

Cedo se percebe que o filme não funciona. Algo confirmando pela procissão de pessoas que foram abandonando a sala, talvez incomodadas pelo excesso que Lucas quis mostrar, embora sem rima do género. Valha-nos Tilda Swinton, igual a si própria, que faz o que pode como a Madame Blanc (papel que Joan Bennet desempenhou em 77), tal como Dakota Johnson faz o que pode (ou sabe), embora num papel muito insificiente para apagar as suas manchas de um passado cinzento. Curioso notar como Jessica Harper, a Suzy de Argento, também aparece num papel especial, mesmo que isso não liberte o filme do seu falhanço, de nunca conseguir aproximar-se do original.

O filme até começa bem, intrigante com uma sessão de terapia que empurra o filme para horizontes mais vastos. E nos envolve também nessa Berlim dividida. Pelo Muro, mas também pelo ambiente de terror provocado pelo grupo armado Baader-Meihof. Nesse sentido, a composição musical, que substiuiu Sufjan Stevens por Thom Yorke, a acentuar até o ambiente num tom próximo aos The Goblins e à sua música fantasmagórica, na linha de Tubular Bells. Só que depressa este movo Suspiria se perde entre numa narrativa ambiciosa que se revela difícil de concretizar, mesmo que não seja pela alternância do inglês e do alemão, da dança de Susie que provoca um encantamento macabro numa outra bailarina, que acaba num amontoado de membros torcidos, ossos e urina.

A dualidade impõe-se numa conjugação de dança entre terra e ar, bem como a invocação do passado negro alemão, até chegarmos às bruxas e aos seus elementos esotéricos Trevas, Lágrimas e Suspiros. Foi uma pena perceber como o filme ia perdendo o seu fôlego e ficando dividido entre si. Como o Muro de Berlim, com narrativas diferentes que nunca chegam a confluir. Como se tratasse de um mundo alternativo. Algo que se torna ainda mais paradoxal quando o filme parece evolui para um terror estranhamente próximo do ambiente truculento de Mãe de Aronofsy, o ano passado também em competição em Veneza. E anão é que acerta altura ouvimos mesmo: “I am the Mother!”?!

Guadagnino parace falhar porque complica algo que se baseava na simplicidade. Não só a linha narrativa, mas também o estilo e o rigor estético da iluminação garrida pelo efeito dos filtros. Só que mais de quarenta anos depois o horror que sobressai não assusta e apenas procura o extremo visual, paredes meias com o mau gosto, a envolver um conjunto de personagens mais ou menso perdidas ou à procura de uma linha narrativa. Ainda que algo se passe do outro lado. Como se estivesse, duas histórias dividias por um muro.

Pena que o autor do magnífico Chama-me Pelo Teu Nome, provavelmente o melhor filme do ano passado, que tão bem captou aquela memória e o naturalismo dos romances de verão, se espalhe num género que claramente não domina.

 

 

  • Suspiria
Sobre Paulo Portugal 693 artigos
Insider Cinema, festivais, entrevistas e críticas. E algo mais.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Google Analytics