Junho 19, 2018

Berlinale: Romena Adina Pintilie ganha Urso de Ouro e prémio de primeira longa com o terapêutico Touch me Not

selfp

Paulo Portugal em Berlim

Touch Me Not, da romena Adina Pintilie, vence Urso de Ouro. Wes Anderson é melhor Realizador. Ana Brum (Las Herederas) e Anthony Bajon (Le Prière) foram os melhores atores. Portugueses sem prémios.

Surpresa na Berlinale, com um júri a trocar as voltas aos jornalistas que acompanharam o festival e entregando o Urso de Ouro ao falso documentário romeno Touch Me Not, de Adina Pintilie, já com distribuição nacional assegurada pela Leopardo Filmes, de Paulo Branco. No plano nacional, desta vez não houve Urso de Ouro para nenhum dos três portugueses presentes na competição para as curtas-metragens. O júri integrado pelo português Diogo Costa Amarante, vencedor do Urso de Ouro, em 2016, com Cidade Pequena, acabou por escolher a curta dinamarquesa The Men Behind the Wall, de Ines Moldavsky. O mesmo sucedendo com os três filmes portugueses presentes no Fórum. A outra portuguesa no júri, Cíntia Gil, premiou o documentário The Waldheim Waltz, de Ruth Beckerman.

Ana Brum, Las Herederas

Na competição oficial, destacamos então no palmarés a escolha de Las Herederas, do paraguaio Marcelo Martinessi, o nosso preferido desde o primeiro dia, com o Prémio Alfred Bauer, para “novas perspetivas”, bem como a distinção para a interpretação da atriz Ana Brum. A estes prémios junta-se ainda o prémio da crítica internacional (FIPRESCI). O prémio do 2º lugar foi para Mug, da polaca Malgorzata Szumowska, uma sátira sobre a sociedade polaca e à sua devoção religiosa que se esquece da humanidade.

Ana Brum, Las Herederas

A interpretação masculina foi para o francês de 23 anos, Anthony Bajon, pelo seu papel de toxicodependente em La Prière, de Cédric Kahn, que acaba por descobrir um novo rumo para a sua vida num programa religioso assente no trabalho numa quinta. Não deixa de ser um papel forte, se bem que no registo relativamente previsível do jovem adolescente que arranca a emoção nos momentos mais previsíveis.

É claro que nessa categoria poucos esperavam este desfecho, pois o alemão Franz Rogowski teve duas prestações marcantes, em Transit, de Christian Petzold, e In The Ailes, de Thomas Stuber, ambos entre os favoritos para o prémio máximo. Essa, sim, uma injustiça já que qualquer uma dessas prestações é bastante superior à de Bajon. Das inúmeras atrizes que deixaram a sua marca, o prémio acabou por ir parar à experiente atriz de teatro Ana Brum, no admirável Las Herederas, integralmente interpretado por mulheres e sobre a sociedade patriarcal paraguaia. Um prémio que a atriz dedicou a todas as mulheres paraguaias que são lutadoras.

Igualmente, o júri distinguiu o trabalho artístico do russo Alexey German, no filme Dovlatov, sobre o jornalista e escritor russo Sergei Dovlatov, evidenciado numa rigorosa reconstituição daqueles anos 70 em Estalinegrado. Tal como a narrativa de Museo, do mexicano Alonso Ruizpalacios, em parceria com Manuel Alcalá, que recupera o episódio insólito do roubo de mais de uma centena de peças de valor incalculável do museu de história natural por um par de idiotas, no filme interpretados por Gabriel Garcia Bernal e Simon Russell Beale.

Outro do filme que deixou a sua marca na Berlinale, foi a animação stop motion de Wes Anderson, Ilha dos Cães, que abriu o festival. Mas também deixou a piada da noite quando o ator Bill Murrau veio receber o prémio de melhor realização, por Wes Anderson, referindo em jeito de piada que nunca tinha pensado ir trabalhar como um cão e regressar a casa com um Urso. Acrescentando ainda que será mais um americano a dizer ‘ich bin ein berliner hund’…

Resta acrescentar que a 68ª Berlinale foi um festival marcado por uma abordagem profunda a temas políticos e socais, naturalmente com diversas personagens femininas de relevo. E talvez isso acabe por ficar sintetizado na escolha de Touch Me Not, que venceu o prémio de Melhor Filme, mas também o de primeira longa metragem, em que a realizadora aponta a sua câmara para pessoas com problemas de intimidade, seja de ordem psicológica ou por malformações físicas, embora não deixe também de virar a câmara para o público, quebrando essa quarta barreira, acabando por nos tomar a nós.

 

 

Palmarés

Contribuição Artística – Dovlatov, de Alexey German (Rússia)

Argumento – Museo, de Alonso Ruizpalacios (México)

Melhor Ator – Anthony Bajon, em Le Prière

Melhor Atriz – Ana Brum, Las Herederas

Melhor Realização – Wes Anderson, Isle of Dogs

Alfred Bauer – Las Herederas, de Marcelo Martinessi

Prémio do Júri – Mug, de Malgorzata Szumowska

Urso de Ouro – Melhor Filme – Touch Me Not, de Adina Pintilie

 

 

Panorama

 

1º Prémio do Público

Profile, de Timur Bekmambetov

2º Prémio

Styx, de Wolfgang Fischer

3º Prémio, de Katharina Mueckstein

 

 

Panorama Dokumente

1º Prémio

The Silence of Others, de Almudena Carracedo, Robert Bahar

2º Prémio

Partisan, de Lutz Pehnert, Matthias Ehlert, Adama Ulrich

3º Prémio

O Processo, de Maria Augusta Ramos

 

Prémio Júri Independente – In the Ailes, de Thomas Stuber (Alemanha)

Menção Especial – U – July 22, de Erik Poppe

Panorama – Styx, de Wolfgang Fischer

Fórum – Teatro de Guerra, de Lola Arias

 

FIPRESCI

Melhor Filme – Las Herederas, de Marcelo Martinessi

Panorama – River’s Edge, de Isao Yukisada

Forum – An Elephant Sitting Still, de Hu Bo

Sobre Paulo Portugal 616 artigos
Insider Cinema, festivais, entrevistas e críticas. E algo mais.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Google Analytics