Coco: Pixar renasce no Dia de Los Muertos

Sim, temos Pixar, mesmo que cada vez mais próxima da Disney. Temos Pixar quando percebemos a ousadia de fazer assentar um filme na personagem de uma idosa mexicana que está praticamente o filme inteiro sem abrir a boca, mas temos também mais Disney (até se justifica a partir do momento em que fundiram ambas as companhias).

Coco recebe assim o melhor da Pixar, na memória do genial Up! Altamente, mas também numa certa aproximação à Disney, não só pela proximidade a O Estranho Mundo de Jack,  de Tim Burton, da Disney, bem como numa cedência narrativa, a certa altura caindo num facilitismo previsível, redimindo-se ainda assim para um final fulgurante.

Portanto, mantém-se assim o DNA da companhia, nesta homenagem à cultura mexicana do Dia de los Muertos, naquele que é também um aclamado regresso de Lee Unkrich ao ativo depois da obra-prima chamada Toy Story 3.

É mesmo essa velhinha o vértice da pirâmide da família Rivera, mas uma família que decidiu trocar a música na sua vida pelo fabrico de sapatos em virtude do trauma do tetravô ter abandonado o lar para prosseguir o seu sonho musical e a divisa de “agarrar o momento”.

O filme navega entre este universo fantasioso e garrido onde a superstição é aliada do espetáculo. Ao longo desta jornada do “outro lado”, Miguel acompanha outra “alma penada”, Hector (na voz inconfundível de Gael García Bernal), um artista trapaceiro que o ajuda a encontrar Ernesto, e que corre o risco de ser esquecido pela sua família e, assim, ver o seu esqueleto desfazer-se em pó colorido e desaparecer para sempre.

Entre a memória dos antepassados e o sonho artístico, Coco estabelece um acordo com o espetador, neste percurso de musical mariachi do “outro mundo” aliado ao tal realismo mágico que atinge alguns dos topos da marca Pixar. Só é pena alguma falta de originalidade da narrativa que não consegue sobressair a um registo algo batido. Ainda assim, com um final nada piegas, que nos volta a casar com a história, tornando esta anciã Coco na verdadeira estrela do filme.

 

Sobre Paulo Portugal 454 artigos

Insider

Cinema, festivais, entrevistas e críticas.
E algo mais.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*