Fevereiro 21, 2020
insider

San Sebastian: Thierry Frémaux – “Manter a paixão pelo cinema”

Este tem sido um ano em grande para Thierry Frémaux, o diretor artístico do festival de Cannes. Começou com o lançamento do seu livro Sélection Officielle, um diário de 600 páginas sobre um ano entre a cerimónia de encerramento do festival de Cannes de 2015 e toda a preparação da edição seguinte, até a respetiva cerimónia, lançado apenas umas semanas antes de nova edição. Para além disso, teve toda a preparação e apresentação do Festival de Cannes, de 2017, bem o lançamento do filme documento Lumière!, apresentado e narrado pelo próprio, que o trouxe a San Sebastian e levará em breve a Lisboa.

Como se isto não bastasse, a sua agenda anual tem de contemporizar a preparação de um outro festival, o Lumière, que decorre em Lyon, sua terra natal, em meados de outubro, a par da direção do Institute Lumière, presidido por Bertrand Tavernier. Nada mal para aquele que, provavelmente, terá a agenda de telefone com mais estrelas de cinema do mundo.

Desta vez, Frémaux enfrentou aquela que não costuma ser a uma praia. Ou seja, dar entrevistas e promover o filme em que nos permite ter um contacto muito próximo com o abundante cinema (cerca de 1700 curtas metragens!) feito pelos seus inventores, os irmãos Lumière. Em todo o caso, conduzir a atividade de conduzir o festival de Cannes e fazer este filme acabam por ser atividades complementares, ou como o próprio sintetiza: “fazem parte da partilha do meu amor pelo cinema”, acrescentando que “temos de manter viva a paixão pelo cinema, sobretudo entre as gerações mais jovens.” Mesmo que se tratem de trabalhos diferentes.

“Quando seleciono um filme para Cannes não consigo prever a reação do público”; por outro lado, “trabalhar na divulgação do nosso património cinematográfico dá-me mais segurança e, porque não dizê-lo, mais prazer”.

Na origem da sua decisão de avançar com este projeto esteve não só a vontade de alargar o conhecimento da obra de Auguste e Louis Lumière, mais ir mais além e afirmar o seu papel como “criadores”, mais do que “inventores”. Desde logo, como refere no filme, os criadores de conceitos como o gag, mas também o remake e mesmo o travelling, elemento essencial da linguagem cinematográfica. Para além disso, Fremaux elogia o feito dos Lumière por terem concebido o cinema como uma arte global.

Lumière! estreia em Portugal, a 12 de Outubro

Sobre Paulo Portugal 838 artigos
Insider Cinema, festivais, entrevistas e críticas. E algo mais.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Google Analytics