Outubro 24, 2020

O legado de Tupac Shakur comentado por NBC e Karlon

Tupac Shakur foi muito mais que um cantor. Com uma carreira relativamente curta, Tupac fez mais de 75 milhões em álbum, e não tinha mais do que 25 anos. E embora a sua vida profissional e pessoal fosse conhecida pelas polémicas passagens pela polícia, Tupac deixou um legado para o Hip Hop que, através da música, tem o objetivo de discutir questões sociais e raciais – uma vez que é um género afro-americano.

Nesta semana estivemos na antestreia de All Eyez On Me, o filme que conta a história de Tupac, desde a sua infância, até a sua ascensão e, consequentemente, a sua morte misteriosa. O evento decorreu no Centro Comercial Colombo, em Lisboa, com as participações especiais de cantores Hip Hop, também foi a oportunidade para reforçar a inserção do Hip Hop na sociedade, enquanto representatividade dos jovens negros.

 

NBC

Estivemos à conversa com o rapper NBC, que brevemente explicou-nos sobre um dos problemas que o Hip Hop ainda enfrenta na atualidade, mesmo com a existência de ícones como Tupac Shakur.

“O que acontece é que é um género [o hip hop] que não está aceite como ele é na sua génese, não está compreendido sequer. Tratar duma arte é sempre complicado, explicar uma arte é sempre complicado. Nós estamos aqui a falar duma forma de estar na vida”.

NBC ainda continuou, desta vez a esclarecer sobre a falta de visibilidade do género dentro da sociedade:

“A sociedade ainda não me quer ver a mim. O problema neste momento já não é só meu, o problema é duma sociedade que não me quer identificar. Eu estou há 24 anos a lutar para que uma sociedade me compreenda com os meus valores e os meus ideais, mas a sociedade não me quer compreender.”

Porém, mesmo com os obstáculos, a desistência não é uma opção:

“Portanto é uma luta que vai continuar, sempre, mas que já me ultrapassa.” NBC concluiu.

Karlon

A discussão não pára por aqui. Também conversamos com o rapper Karlon, que deu-nos a sua opinião sobre um dos problemas que os jovens negros enfrentam, presentes na maioria das músicas no Hip Hop, a falta de oportunidade.

“O que se faz falta é dar conhecimento aos jovens. É dar escola. O que a periferia, a favela e o gueto precisam é de estudo, escola, arte, para aprender arte, para salvarem a si próprios”. Karlon relatou.

E quando perguntado sobre o que espera do seu trabalho como músico, afirmou que o objetivo é ensinar e dar a conhecer aos jovens, além de salvá-los. A conversa terminou com o seu conselho para os rappers iniciantes:

“Procurem a sua identidade, leiam livros, percebam a história do mundo. Ninguém consegue mudar o mundo sozinho, mas se várias pessoas começarem a mudar dentro de si, talvez possa mudar qualquer coisa à volta”.

All Eyez On Me, realizado por Benny Boom, estreou em Portugal a 22 de junho e está em exibição nos cinemas.

Sobre Ana de Oliveira 36 artigos
Escritora, poeta, jornalista e mais uma data de coisas.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Google Analytics