Outubro 27, 2020

Churchill: um homem em guerra consigo próprio

Brian Cox é Winston Churchill

Para um filme que ostenta o título imponente de Churchill, será natural antecipar um biopic daquele que é considerado ainda “o britânico de todos os tempos”, pelo menos segundo o último inquérito feito em 2002. Pena é que o resultado fique aquém da adequada dimensão do estadista, aproximando-se mais do registo do telefilme. No fundo, um território familiar a Jonathan Teplitzky, talvez com a exceção do interessante The Railway Man – Uma Longa Viagem (2013), curiosamente também sobre uma memória de guerra. Uma falta de experiência que se estende ao estreante Alex von Tunzelmann, apenas com a assinatura num episódio para televisão da série Medici.

Brian Cox até prova ser uma escolha feliz para encarnar a enorme galeria daqueles que já interpretaram a eminente figura do “grande bulldog”, revelando-se credível a segurar os trejeitos, bem como os enormes charutos. Se bem que a opção por uma ação de bastidores e alcova, aliada a uma opção meramente decorativa dos parceiros militares da Operação Overlord, os generais Dwight Eisenhower (John Slattery, de Man Men) e Montgomery (Julian Wadham), acabe por limitar bastante o interesse. Talvez a maior exceção seja mesmo Miranda Richardson, enorme como a empenhada e firme esposa Clementine.

O filme terá toda a legitimidade em centrar-se no ocaso do protagonismo político de Winston Churchill, em 1944, e particular no countdown para o dia D, e o consequente desembarque maciço na Normandia, e a resistência pessoal ao custo dispendioso de vidas humanas que teria tal ofensiva. Pena é que reduza a narrativa ao dilema do político e a essa preocupação humanitária, algo que na realidade nem era bem assim, pelo menos na altura da invasão. We mustn’t let it happen again, recordará o homem do sobretudo negro e chapéu de coco atormentado ainda pelo flagelo da “guerra para acabar com todas as guerras”. O problema é que Churchill perde-se algures entre o retrato pessoal e o de estadista. Afetado por isso, o filme  voa sempre baixinho nunca chegando verdadeiramente a levantar.

  • Classificação

Um resumo

Mesmo sem uma assinalável parecença física, o escocês Brian Cox consegue dar-nos uma visão mais pessoal, quase familiar, do Primeiro Ministro britânico que conduziu a Grã-Bretanha durante a 2ª Guerra Mundial.

Sobre Paulo Portugal 874 artigos
Insider Cinema, festivais, entrevistas e críticas. E algo mais.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Google Analytics