Agosto 21, 2019
insider

Na cama com Victoria: mas sem libido à altura

Na Cama com Victoria

Justine Triet (Age of Panic) regressa com um drama ao habitual estilo francês, embora com tiques de comédia e reminiscências de Hollywood. Triet é conhecida pelo seu filme Vilaine Fille Mauvais Garçon (2012), que chegou a ganhar um prémio em Berlin, e por A Batalha de Solferino (2013).

O filme gira em torno da vida mirabolante de Victoria (a belga Virginie Effira), advogada e mãe solteira de duas filhas. Em constante luta consigo própria, tenta em vão resolver o trauma com terapia, acupunturista e até uma utilizadora de tarot. Recorre até, sem muito sucesso, ao consolo de one night stand com encontros online. O que lhe falta em líbido e química sobeja em falar no momento inoportuno.

Mas este não é um filme sobre quem leva quem para a cama, ou o que lá acontece, é sim o filme que deambula na cabeça de Victoria e a forma como ela tenta lidar com isso – com drama e sem desleixar no humor.

No casamento do seu amigo Vincent (Melvil Poupaud), a atravessar uma relação conturbada com Eve (Alice Daquet), dá de caras com um antigo cliente Sam (Vincent Lacoste), também ele  a passar um mau momento, que se voluntaria a ser o seu assistente jurídico e a cuidar das filhas. Só que o casamento tem ainda muito mais por dar. A introdução de um macaco e do dálmata do casal, uma das partes mais cómicas do filme, servindo como comic relief para equilibrar algumas das cenas mais dramáticas.

Como se não bastasse Victoria ainda tem de lidar com o seu ex marido David (Laurent Poitrenaux), um blogger que decidiu escrever, algo que ele define como ficção, em que usa o nome de Victoria, casos que ela defendeu revelando detalhes confidencias, e ainda vai mais longe e acusa-a de ter dormido com vários juízes prejudicando não só a sua vida pessoal como a profissional.

O filme termina como tantos outros filmes, com a declaração de amor por parte de Sam a Victoria. Apesar de por momentos Sam se evaporar do filme, reaparecendo apenas no final para o resolver. Tratando-se de uma narrativa sobre o crescimento de Victoria e a resolução dos seus problemas pessoais, Na Cama com Victoria perde coerência ao terminar com um interesse amoroso.

Virginie Effira demonstra mais uma vez que é uma das atrizes que tem vindo a crescer mais no circulo de comédia francófona. Depois de se estrear em It Boy, participou em Up for Love, e teve um pequeno papel em Elle.

***

 

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Google Analytics