Outubro 13, 2019
insider

Semana da Crítica: da animação iraniana a Luke Skywalker

Teheran Tabu

Uma vez mais, a Semana de Crítica em Cannes, este ano presidida por Kléber Mendonça Filho (que concorreu para a Palma de Ouro, com Aquarius), celebra a diversidade, reafirmando o género documental e a animação com a primeira entrada de cada género na competição, desde que foi fundada em 1962.

A estreia em animação pertence a Ali Soozandeh, com Tehran Tabu, examinando a teocracia e a hipocrisia implícita das autoridade iraniana. Já o documentário Makala, de Emmanuel Gras, reflete a determinação de um jovem em sobreviver e sustentar a sua família no Congo.

Fabio Grassadonia e Antonio Piazza abrem a selecção com Sicilian Ghost Story, exibido fora de competição, depois de terem recebido o prémio em 2013 com Salvo, seguindo o mesmo padrão de submundo, embora agora num contexto romântico adolescente.

O drama italiano ainda abre as portas para Bloddy Milk, de Hubert Charuel, e A Violent Life, de Thierry de Peretti, encerrando a sua selecção fora de competição com Brigsby Bear, a comédia interpretada por Mark Hamill, o eterno Luke Skywalker, Claire Danes e Greg Kinnear aclamada em Sundance, em janeiro passado.

O contexto político aparece em Los Perros, de Marcela Said, a centrar a objectiva na ressaca da ditadura de Pinochet no actual corpo de um Chile moderno; do mesmo continente surge ainda Gabriel e a Montanha, um drama sobre uma viagem de averiguação pessoal entre os pólos de África, do brasileiro Fellipe Gamarano Barbosa.

Oh Lucy!, de Atsuko Hiranayagi, com Josh Hartnett,  Ava de Lea Myusis e La Familia de Gustavo Rondon Cordova englobam os primeiras obras de realizadores em competição nesta Semana de Crítica que conta apenas com primeiras e segundas obras.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Google Analytics