Outubro 26, 2020

O Amor é Lindo… Porque Sim!: O cinema feito blockbuster televisivo está de volta…

*

O cinema é lindo… porque sim. Porque tem uma estética e narrativas próprias. E nem todo ele é lindo de morrer, pois cada qual com a sua opinião. E como no caso do novo filme de Vicente Alves do Ó o cinema parece começar a aproximar-se mais da trama televisiva, temos de concordar que lhe falta, desde logo, essa beleza principal.

Pelo menos, é nisso que desagua O Amor é Lindo… Porque Sim!, a partir de um guião deste cineasta e guionista experimentado, como que surfando a onda do ‘cinema-português-comercial-que-leva-espectadores-às-salas’, numa iniciativa patrocinada pela ideia genial de Leonel Vieira, de recriar versões aggiornadas dos clássicos O Pátio das Cantigas, com o retumbante sucesso que conhecemos, O Leão da Estrela, bem mais modesto, mas ainda assim eivado do mesmo fenómeno. E que se aguarda seja repetido, lá mais para o final do ano, com A Canção de Lisboa.

Não deixa de ser algo surpreendente a opção do realizador Vicente Alves do Ó em trilhar o percurso da comédia popularucha e televisiva com o seu novo filme, ainda que o desejo de obter sucesso comercial e um retorno financeiro seja louvável e até mesmo desejável. Seja como for, assinala-se aqui uma clara inversão do perfil e substância bem mais cinematográficos marcado pelos anteriores Quinze Pontos na Alma, com uma boa direcção de Rita Loureiro, e Florbela, num excelente trabalho de Dalila Carmo. De resto, sublinhado pela sua longa experiência de argumentista, em cinema e televisão.

Ficamos, por isso, um pouco baralhados com a opção narrativa de Alves do Ó em navegar a onda dos blockbusters à portuguesa, no que parece ser um remix da moda com as novas versões do Pátio das Cantigase O Leão da Estrela, embalada pela produção de Ivan Coletti, com larga experiência na Plural e na saga Morangos com Açúcar.

Nada a dizer das ambições do realizador em habilitar-se a convencer o público televisivo a sair à rua para ver esta sua comédia romântica, e até trazendo consigo a turma inteira dos seus alunos da escola de actores Act (a mesma de onde saiu a excelente actriz Anabela Moreira). Embora nos pareça algo estranho que a primeira experiência a sério deste grupo venha a ser o cinema feito televisão. A menos que a estes novos actores lhes agrade mais a entrada no mercado das telenovelas. Algo que parece confirmar-se quando alguém diz no filme se conseguisse entrar numa novela tinha a vida resolvida. Se assim for, tudo bem. Mas adiante.

O-Amor-e-Lindo-Porque-Sim1E o que temos então em O Amor é Lindo… Porque Sim!? Temos a menina Amélia (Inês Patrício) que vê o namorado (João Maria) trocá-la no dia de aniversário por ‘outra’ durante uma cena canalha, mas que logo arranja trabalho numa tasca e assim que abre o bico de rouxinol vê meio mundo render-se aos seus encantos da fadista. Ele é o toureiro Bubu, um beto alentejano que desata a chorar assim que a pequena abre o bico; ele é um jogador de futebol de um tal clube azul da capital que deixa de marcar golos quando ela lhe dá com os pés, o que faz a capital parar para se interrogar com este deserto de bolas na baliza adversária; ele é ainda os desaires amorosos do próprio fotógrafo paparazzo e até mesmo de um anónimo graffiter, cujo tag era deixar frases românticas bacana, como… O Amor é Lindo… Porque Sim!

É claro que entre o grupo de alunos da Act, temos alguns actores profissionais que seguram as pontas desta comédia à portuguesa mais empenhada em fazer-nos rir à força do que a surpreender-nos com algum humor inesperado. Nesse esforço louvável contribuem ainda, com presença maior ou menor, Carolina Serrão, Francisco Vistas, Sara Almeida, Cláudia Alfaiate,Sónia Lisboa, entre outros e outras.

Como sempre a muito experiente Maria Rueff responde com o ‘boneco’ que lhe calhar, aqui no papel da cartomante Gigi, mãe de Amélia e muito devota de Stº  António, que haverá de a acompanhar à ganadaria de Bubu, bem como a sua outra filha, uma actriz indie, e privar com a mãe benzoca (Silvia Rizzo) e muito gin lover, numa réplica perigosa, por isso sem graça, à personagem de Alexandra Lencastre em O Leão da Estrela, de Leonel Vieira.

E haverá ainda a psicóloga Dalila (Ana Brito e Cunha) que quase terá um afrontamento depois de lidar com a fartura de pretendentes da Amélita. Ela que quase não via homem vai para cima de dois anos…

amor_lindo3Lá está, pode ser que no papel, a trama de O Amor é Lindo… Porque Sim! até possa fazer algum sentido. E ter até alguma piada. O trailer cumpre o seu papel em sugestionar um filme provocador. Mas o resultado acaba por ser demasiado maçador na ânsia de nos arrancar um risinho à força. Pelo menos foi essa a sensação sentida durante a sessão de imprensa diante os gags de humor televisivo que ansiavam bem mais pelo calor da sala e da família reunida em redor do ecrã mágico.

Vejamos, o desencanto deste Amor não pode ser atribuído à visível inexperiência de grande parte dos atores, ou a uma falta de talento de Alves do Ó. Os atores não têm mesmo muita experiência e Alves do Ó tem o seu talento. Até porque, aparentemente, o produto desejado é o produto devolvido aos espectadores, na tal tentativa de trazer o público televisivo para os cinemas. Em si a atitude até é muito nobre. Não se pode é dizer que o resultado seja satisfatório. É apenas assim. Porque sim!

Sobre Paulo Portugal 874 artigos
Insider Cinema, festivais, entrevistas e críticas. E algo mais.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Google Analytics