Outubro 25, 2020

Os 8 Odiados: Tarantino vintage

****

O melhor é prepararem-se para o pior (ou o melhor)! É que Quentin Tarantino desde cedo nos avisou que não seguirá o roteiro de um cinema formatado. Sim, sempre usou e abusou dos clichés (e dos géneros!) para conceber a sua obra. Aqui, veja-se o desplante, serve-se do género western para ensaiar um sangrento who dunnit de quase três horas, com uma audácia formal próxima de Agatha Christie. E sim, tintada de sangue, c’o a breca! É claro que já vimos isto. De resto, Quentin nem sequer se preocupa em ‘reciclar’ o cerne de Cães Danados, já que a acção se passa, tal como naquele, no interior de um espaço fechado, onde tudo acontece em convulsões despoletadas pelos ímpetos de violência tão familiares no cinema de Tarantino. E se a isso juntarmos a banda sonora genial de Ennio Morricone, teremos então uma barrigada de suculento cinema. Só não é obra-prima, porque, por certo, o próprio autor recusaria tal designação.

Ora, no ‘oitavo filme de Quentin Tarantino’ muitos entenderão que o ‘mestre’ está a perder o mojo, que os diálogos perderam a mesma frescura depois do díptico Kill Bill, que o cineasta se alarga em tempo e se consome em redundância de diálogos nevróticos, excessivos ou até inconsequentes. Confesso até que, numa primeira visão, proporcionada pelas cópias recentes a circular na Internet, senti o mesmo desconforto de não detectar a mesma novidade que sempre esperamos do maldito realizador cinéfilo que abalou o cinema americano.

THE HATEFUL EIGHTNo entanto, sabia também que teria de rever Os Oito Odiados num formato maior, mesmo que não nos 70mm em que foi concebido, por já ser inexistente no nosso parque de salas. No entanto, talvez seja aí que resida a primeira audácia do hiperactivo Tarantino, ao oferecer-nos um western claustrofóbico, interior, sim com alguns majestosos planos do exterior gelado e montanhoso do Wyoming. Com o topete de incluir um selo de Panavision Ultra 70 no final do genérico à maneira antiga, como que a afirmar, para memória futura, a sua voluntariedade em assumir esse propósito de homenagear o formato crucificado, servindo-se até de uma belíssima imagem de um Cristo de madeira cruxificado em esforço pela neve que suporta nos ombros.

Pois aqui estamos numa terra sem deus, apenas com aqueles que Quentin Tarantino venera e aceita como mestres, aqueles que penetraram com profundidade no género, mas deixando o seu desafio de derrapar nas convenções. É a série B!, grita-nos em cada frame do seu cinema, é o cinema dos malditos, dos desenraizados, tal como ele que passava os dias no cinema com a mãe solteira, marcado com o selo das sessões duplas que combinariam um western e um filme de terror, ou uma fita de gangsters com um título de ficção científica. É como este western arraçado de policial, não à maneira de Hitch, mas quem sabe com uma encenação teatral em que todos podem (e se calhar até são) culpados, à maneira de Shakespeare.

E se Tarantino nos dera já o gozo operático e lento da abertura, usando em todo o esplendor plano Panavision, logo nos tirará o tapete dos pés, quase logo que o inevitável Samuel Jackson apeado que pergunta ao cocheiro da diligência que se aproxima: got room for one more?, atira, diante uma pilha de cadáveres. Ele é Marquis Warren, um negro ex-major do exército federado que ainda tem bem presentes os conflitos raciais vividos durante o conflito civil e que, de resto, acompanharão todo o filme, aqui em missão de devolver criminosos e resgatar a sua recompensa. Mas ele não é um ‘preto’ qualquer, pois carrega no seu bolso uma carta redigida pelo próprio Presidente Abraham Lincoln. No interior da carruagem seguem Kurt Russell, ele é John Ruth, o caçador de prémios responsável por Daisy Domergue (Jennifer Jason-Leigh), uma mulher com um olho negro condenada por enforcamento, a que se juntará depois o futuro xerife Mannix (um revelador Walton Goggins). Este grupo acabará por fazer uma paragem forçada no estaminé da Minnie para escapar ao mau tempo.

8 odiados1O que se segue não será uma piscadela de olho a Stagecoach ou sequer a uma variante de Magnificent Seven. Será Tarantino, seguramente no seu filme mais maduro, a rever a pulsação da América, a questionar o racismo ancestral que se vincará quando a acção se estabelecer na retrosaria de Minnie e de lá repousará durante mais de duas horas, com os 70mm a enquadrarem os extremos de um país que parece nunca ter saído de uma Guerra Civil, vejam-se o despropósito da campanha das Primárias, que mais parece um cartoon de mau gosto.

Lá dentro juntam-se ao ressentido general sulista Smithers (Bruce Dern), o taciturno Joe Gage (o torcionário ‘cão danado’ Michael Madsen) e o colorido Oswaldo Mobray (Tim Roth, impecável no seu cuidado sotaque british), bem como o mexicano Bob (Demián Bichir). Um elenco notável, que representará no interior dessa cabana as divisões da jovem nação americana. É também aí que se arquitectará esta peça sobe o que terá sucedido com a desaparecida Minnie. Ah, sim, e com umas famosas gomas coloridas…

Mas mais do que tudo existe o prazer da viagem do filme, como sempre sucede com Quantin Tarantino, com o sabor dos diálogos, super condimentados, e, claro, o inevitável banho de sangue. Pode ser que tudo isso relativize uma mensagem de racismo, misoginia, mas pode acontecer também que todo este xadrez humano cumpra funções actuais. É que, como sempre, Tarantino encena a sua própria farsa, mas mantém-se fiel aos seus próprios cânones, de filme série B, com tiques de depravação sexual. Por isso mesmo, nada como não resistir a uma segunda visão, seguramente mais coesa. Talvez assim consiga explicar o que sucedeu às gomas…

Sobre Paulo Portugal 874 artigos
Insider Cinema, festivais, entrevistas e críticas. E algo mais.

Seja o primeiro a comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


*


Google Analytics